Archive for the Semanário 8 Category

Semanário 8

Posted in Semanário 8 on 15/10/2008 by Carlos Eduardo

Carater de Deus essa semana: Caridoso

                Nessa semana tivemos duas aulas super importantes: Comunicação no Reino de Deus e Adoração.

                Comunicação é o ato de se comunicar, como dizia chacrinha: “Quem não se comunica se trumbica”.

Comunicação é um processo que envolve a troca de informações, onde estão envolvidos neste processo uma infinidade de maneiras de se comunicar: duas pessoas tendo uma conversa face-a-face, através de gestos com as mãos, mensagens enviadas utilizando MSN, orkut, a fala, a escrita, que permitem interagir com as outras pessoas e efetuar algum tipo de troca de informações. (Sl 19)

Temos que saber que Influência é o poder de produzir um efeito sobre os seres ou sobre coisas, sem aparente uso da força (Houaiss). Nós temos que exercer influência na sociedade, é por isso que estamos aqui. O que influencia é a maneira como eu vivo, não no que eu creio, ou seja, não temos que querer impor nada pra ninguém, temos que ser e viver no que acreditamos e automaticamente influenciamos, pois será notório que o que em que acreditamos é real.

A grande realidade é que vivemos em um gueto religioso.

Deus se comunica de tais formasconosco: Pessoalmente (Gn 3:8-12), Na bíblia (Rm 15:4), Na oração (I Sm 2:1-4, Mt6:9-13), Pela criação (Rm 1:20, Sl 19), Pelo Espírito Santo (At 17:27-28), Por pessoas e pela nossa vida, circunstâncias

            Adoração é a jóia desaparecida da igreja evangélica (A. W. Tozer, 1961). Para saber o que é a adoração há a necessidade de uma teologia correta. A realidade é q vivemos em uma superficialidade no ensino teológico e o erro maior é o conceito de que a adoração é música e somente para músicos, automaticamente gera uma onfusão na adoração, ocorre uma perda da devoção e espiritualidade, uma adoração sem entendimento.

Os conceitos de Adoração são: A adoração inicialmente é uma atitude interior invisivel. Adoração é uma reação, uma resposta ativa a Deus, pela qual declaramos a sua dignidade. O culto é a expressão visível desta atitude interna, desta intenção de reconhecer e dar o maior valor a Deus. Culto na vida e vida no culto. Adoração é uma palavra nobre. Significa atribuir maior valor a alguém ou objeto, reconhecer uma dignidade maior (excelência). Adoração é a resposta da alma regenerada ao Deus que a regenerou. Consagração a Ele é a nossa resposta. O alvo do culto é tornar real a presença de Deus. Não para ver sua ação somente, mas para ser desfrutada, reverenciada, contemplada, celebrada pelo que Ele é, fez e fará.

A adoração é um estilo e vida, não um momento marcado.

Saímos daqui no sábado mais ou menos às 22:30. Viajamos até Aparecida do Norte para fazer um Impacto lá. Chegamos era mais ou menos 4:00 no domingo, e lá encontramos outros jocumeiros de outros lugares.

Iniciamos o Impacto umas 5 e pouco. Fomos até a passarela que normalmente as pessoas “pagam promessa”, andando toda a passarela de joelhos, afim de se flagelar ou pagar algo com essa dor, como se isso fosse necessário. Ficamos nessa passarela na maioria do tempo.

Houve um momento no qual eu decidi tirar a bíblia da mochila para ler um pouco, andei com ela durante um tempo. Só que em um momento que eu estava na ássarela parado, só esperando Deus falar comigo pra falar com alguém, passou uma menina, també de Jocum, me falando que se eu ficasse com a bíblia na mão eu poderia ir preso, porque lá não é permitido qualquer manifestação evangélica no dia 12 de outubro. Mas fiquei pensando: “Ué, católicos também tem bíblia, e tudo que tem escrito na bíblia evangélica tem escrito na bíblia católica, então qual o problema?”.

Após isso, encontrei um cara chamado Sidinei, que estava subindo a passarela de joelhos. Eu o ajudei segurando em sua mão, dando força para ele conseguir chegar até lá em cima, com palavras de encorajamento e conforto. Chegando lá eu limpei seus joelhos e conversei um pouco com ele e sobre Jesus, o quento Jesus o amava e o preço que Ele pagou foi praticamente 1000x mais pesado do que o que ele acabara de fazer, e que o preço já foi pago. Falei sobre como Jesus ao invés de segurar na mão, como eu fizera com ele na hora de cansaço, Jesus o pega no colo e o ajuda a chegar até o fim.

No período da tarde ficamos mais um pouco lá e fomos embora. Na vinda de volta para a base passamos em São José dos Campos, mais precisamente na minha casa. Revi meus pais, irmãos e amigos. Foi muito bom pra mim, todos se conheceram um pouco. E comemos a comida que eu estava morrendo de saudade. Logo após isso na estrada paramos no Shopping de Campinas para conhecer lá, é o maior shopping da américa latina. E assim sendo pegamos a estrada e chegamos até a base outra vez.

Nessa semana, somando tudo, consegui enxergar o quanto Deus realmente está preocupado em uma relacionamento verdadeiro conosco, porém com um tanto de conhecimento, que aliás é uma forma de adoração. Temos que saber nos comunicar com Deus, sabendo que Ele é.

Deus, você é realemente bom. Não se importa com as nossas burrices e sempre nos encoraja…Valeu Deus, por você me amar. Quero cada dia mais estar perto de Ti. No nome de Jesus. Amém.

Semanário 8 (Terenos)

Posted in Semanário 8 on 04/10/2008 by Carlos Eduardo

Carater de Deus essa semana: Pai de todos

Nessa semana fomos até a tribo dos índios Terenos, que fica na cidade de Avaí – SP. Passamos 5 dias lá, e irei relatar alguns acontecimentos conosco lá. Nós fomos em 9, a equipe ETED e 2 obreiras: Eu, Marco, Chico, Éder, Thiago, Paulinho, Taisa, Érica e Jaque.

Dia 28 – 1º dia

A van veio aqui na Vila para nos levar.

Chegamos de manhã e ficamos a tarde toda com os índios, nos divertimos junto com eles jogando vôlei e futebol.

A casa em que nós estamos dormindo é uma casa que do lado da igreja, tem 3 ambientes, a cozinha e dois quartos.

Uma coisa que me marcou neste pouco tempo que estive com eles é que primeiramente eles não tem tanta distinção entre homem e mulher, por exemplo no futebol, os times são de homens contra mulheres. Outro ponto que me marcou foi o do quanto eles são unidos aqui, todos se conhecem e há uma harmonia tão grande entre eles que é assustador, é incrível como eles se gostam e se respeitam, não importando a idade nem o sexo, o respeito é mútuo.

Tomamos o típico banho gelado. Até que foi engraçado.

Na noite houve o culto na igreja. O povo começou com o louvor e depois nos deu oportunidade e também louvamos. Logo após eu levei uma palavra.

 

Dia 29 – 2º dia

Acordamos bem cedo, tomamos café e fomos de carroça para carpir, tirando o mato de onde eles vão plantar mandioca, eu acho. Voltamos “quebrados”, com as mãos cheias de calos e bolhas.

A tarde fomos até a escola e fizemos teatro e brincamos com as crianças daqui. Foi muito legal. Aqui na aldeia tem uma cachorro que se chama “kadu”, e advinha… .Por onde eu passo as crianças ficam gritando: “- Kadu, Kadu”.

Na noite tivemos um momento nosso no qual fizemos um processamento, e colocamos o que está sendo este tempo até o momento.

 

Dia 30 – 3º dia

Acordei cedíssimo pra fazer o café. Tentamos fazer o café mais reforçado porque iriamos para a roça de novo.

Fomos até uma plantação de feijão de um Senhor que mora aqui perto, limpamos e tiramos os matos que estavam em volta dos pés de feijão. Também limpamos em volta dos pequenos eucaliptos. Logo após fomos em toda aldeia, de casa em casa, chamando as pessoas para virem na igreja neste dia à noite, porque haveria um culto, e também para o outro dia na escola, porque vamos fazer um pequeno evento com todos aqui da aldeia.

Conhecemos um casal de velhinos aqui da aldeia que só falam na sua língua nativa, o “Tereno”. E é bastante interessante, até me senti em outro país. Nas escolas também eles ensinam a língua nativa, porque eles tem a esperança de manter as tradições da tribo, inclusive a língua.

Na noite tivemos um outro culto, no qual o Chico levou uma palavra.

 

Dia 1 – 4º dia

  Acordamos de manhã e fomos limpar a plantação de mandioca de um amigo nosso aqui. Acho que estou com gripe, e foi difícil trabalhar, más fazer o que, trabalhei, é pra obra.
              Logo de manhã fomos até a escola e fizemos apresentações de teatro e conversamos um pouco com as crianças e os adolescentes. Foi muito legal.


              Na tarde descansamos um pouco e esperamos na casa o Chico voltar da cidade, porque ele foi pra lá para comprar algumas coisas.
              De noite ensaiamos um pouco a pirofagia e iniciamos o culto. Dividimos em mulheres, homens e crianças. Eu fiquei junto com o Éder e a Taisa nas crianças. Brincamos, oramos e cantamos um pouco com elas, foi um momento muito especial. Ia acabando o culto quando começou a chover um pouco e ventar muito forte. Uma tempestade estava por vir. Iamos nos despedindo das pessoas que estavam na igreja e ao mesmo tempo já nos preparavamos para buscar todas as nossas coisas na casa em que iamos durmir, porque ia chover lá dentro com a chegada da chuva forte. Então pegamos os colchões e tudo mais e levamos embaixo da tempestade até a igreja. As outras pessoas ainda estavam lá porque não havia como voltarem para suas respectivas casas, já que não há luz e as estradas estariam puro barro. Então esperaram até a chuva se acalmar um pouco e formam embora e nós, mesmo expostos aos pernelongos, insetos e  goteiras por todo canto, dormimos.

Dia 2 – 5º dia

Último dia, não temos um plano do dia, acordamos um pouco mais tarde, umas 7:00. Na manhã fomos para escola e os índios apresentaram a “dança da chuva” para nós, dançado pelas indiazinhas da tribo. Foi um momento muito emocionante, eles até cantaram uma música para nós em sua língua nativa.
              Agradecemos à eles pela hospitalidade e tudo mais.
              Após isso encontramos um é de amora bem perto de onde nós estavamos (ah, se eu soubesse antes!), e eu fiquei lá comendo as amoras e conversando com os indiozinhos, foi um momento muito especial pra mim, pois pude conhecer eles um pouco mais íntimamente.
              Fomos então para uma despedida até a casa do Lorival. Cantamos, conversamos, oramos e nos despedimos.
              Logo a van chegou e nos despedimos de todos e fomos rumo de volta para a Vila.

Deus, valeu pela sua criação ser tão diversa e tão linda. Amém